A prática diária e o propósito norteiam essas jornadas apaixonantes e cheias de desafios exponenciais.

Mesmo antes de ser empresária, o empreendedorismo já pulsava em mim. Só que eu não sabia disso. Havia uma inquietação, um inconformismo com um não sei o que e isso demorou alguns anos para emergir de forma perceptível, até se transformar em atitude de criar um negócio.
Acredito que o protagonismo consciente, no parto natural do meu segundo filho, agiu como uma alavanca, catalisando essa nova percepção. A dor de voltar ao trabalho como ele era naquela época foi uma dor maior do que o parto sem anestesia, que eu havia escolhido ter.
Isso porque na verdade, eu já não era a mesma pessoa. O nascimento do Henrique me transformou, trazendo à tona uma força que muitas mulheres nem imaginam que exista. Mas levou um tempo para eu perceber.

Foi no dia a dia que notei minha mente vagando para outras áreas, interesses, sempre me direcionando para outros lados, muito diferentes dos quais estava habituada. Comecei a me questionar sinceramente o motivo de estar fazendo isso: eu queria muito construir algo do zero, mas nem imaginava como começar.

Ser empreendedora É para quem quer, sim,
mas não acontece num passe de mágica

Ao contrário do que se prega internet afora, ser empreendedora não é algo que  acontece do dia para a noite ou de um ano para outro. Decidiu e pronto, virou a chave e virei empreendedora. Não, não funciona assim. Infelizmente.
A real é que a/o empreendedora é formada. Forjada a fogo define melhor. São as escolhas e as atitudes do dia-a-dia que nos moldam. Nos trazem visão de negócio, de ajudar de verdade um grupo de pessoas, como equilibrar todos os pratos (atender cliente e emitir nota fiscal, fazer reunião de vendas e cafezinho) e não apenas ter um CNPJ.

Acredito que desenvolver um pensamento de co-criação, aliado à atitude é fundamental nesse processo. Isso não costuma “vir de fábrica”, ser nato, mas existem sim pessoas com algumas competências mais desenvolvidas do que outras, isso é fato. Por isso a importância de se autoconhecer. É importantíssimo saber como você empresária funciona, além de conhecer do seu business.

Os pensamentos formam nossos hábitos e estes, por sua vez, formam nossa essência (e caráter). Essa frase já conhecida por muitos é o cerne da engrenagem de um empreendedor. Isso porque a transformação pede novos hábitos, e novos hábitos pedem novas posturas – no plural!

 É treino, minha gente! É como desejar tocar uma bela melodia no piano sem ter praticado (ou estudado) tocar essa música.

Você aprendeu a falar em quanto tempo? Meses? Alguns levam anos para desenvolver bem essa competência. Minha filha andou com 9 meses. Mas isso está bem longe de ser uma regra.
Também vale para a meditação. Meditar é um tipo de treino para a mente, para a concentração e foco. Só que muitos acham que não leva a nada – a cada dia aparecem novos estudos para comprovar os benefícios dessa técnica.

Portanto, se você está na estrada, empreendedora, como eu entenda que a transformação pessoal é nossa única constante. Com apenas um ano na jornada, estou em plena formação. E nunca vou parar de estudar – e me aprimorar.

Vivian Lopes é fundadora da V.Content (www.vcontent.com.br) e advisor de  conteúdo para empresárias. “Comunicar e inovar para vender”.